e-book novo acordo ortográfico

E-book Gratuito sobre Novo Acordo Ortográfico

A Priberam, editora eletrônica digital, acaba de lançar a versão para o Brasil do e-book  Nova Ortografia – Modo de Usar. A edição, que é gratuita, tem como objetivo apresentar em linguagem simples o que muda na escrita do português a partir do novo Acordo Ortográfico, apresentado em 2009 e em vigor desde primeiro de janeiro deste ano. O guia é o ponto de partida para esclarecer de forma ágil e prática as diversas dúvidas que surgiram.

A Priberam é uma das líderes do mundo em dicionários e ferramentas gramaticais eletrônicas para a língua portuguesa.

O e-book Nova Ortografia – Modo de Usar é totalmente gratuito e pode ser livremente reproduzido e compartilhado em sites e redes sociais.

Para acessar, basta clicar no link: http://www.priberam.pt/docs/NovaOrtografiaBr.pdf

“Repetir de novo”. Redundância? Pleonasmo?

Vamos abordar o uso do verbo repetir, que provoca  dor de cabeça em muita gente.

repetir de novo
O jogador repetiu de novo a cobrança?

Recentemente, um locutor, narrando uma partida de futebol, disse o seguinte: “O árbitro, acertadamente, mandou o atacante repetir de novo a cobrança do pênalti”.

Bem, o pênalti já havia sido cobrado, mas o árbitro viu uma irregularidade e, por isso, mandou repetir a cobrança. Seria o caso de repetir de novo? Nesse caso, “repetir de novo” é desnecessário, é redundante, pois só houve uma repetição.

Agora, imagine que a segunda cobrança também não tenha sido regular. O jogar vai ter de cobrar uma terceira vez, de novo. Aí sim seria o caso de repetir de novo, pois seria uma segunda repetição da cobrança. Note, porém, que nesse caso de terceira cobrança, seria inaceitável dizer que “o atacante repetiu três vezes a cobrança do pênalti”, pois só houve duas repetições.  Ou se diz “bateu o pênalti três vezes” ou então “repetiu duas vezes a cobrança do pênalti”.

Dúvidas sobre o uso de repetir de novo? Escreva um comentário!

Tipos de Versos

Tipos de Versos

A seguir, os tipos de versos:

  1. Monossílabos;
  2. Dissílabos;
  3. Trissílabos
  4. Tetrassílabos;
  5. Pentassílabos (ou verso de redondilha menor);
  6. Hexassílabos;
  7. Heptassílabos (ou verso de redondilha maior);
  8. Octassílabos;
  9. Eneassílabos;
  10. Decassílabos;
  11. Hendecassílabos;
  12. Dodecassílalabos (ou verso alexandrino).

O verso de sete sílabas foi sempre o verso popular, por excelência, das literaturas de língua portuguesa e espanhola.

Ainda a respeito do verso de sete sílabas, desde os trovadores medievais aos modernos cantadores do Nordeste brasileiro, o heptassílabo nunca foi desprezado pelos poetas cultos, que dele se serviram por vezes em poemas de alta indagação filosófica.

Gêneros Narrativos

 

generosRomance – Apresenta um acontecimento ficcional que envolve várias personagens e pode tratar de diferentes temas (conflitos pessoais, aspectos da vida familiar ou social). Dependendo do tema desenvolvido, dizemos que o romance é policial, psicológico, histórico, regionalista etc.

  • Crônica – Compõe-se de um texto curto, retratando fatos corriqueiros ligados à vida cotidiana, envolvendo aspectos políticos, esportivos ou artísticos. Estruturalmente é redigida de forma livre e pessoal.
  • Fábula – Narrativa de caráter pedagógico com estrutura simples e de curta duração. A história tem por objetivo transmitir princípios de natureza moral e ética, muitas vezes, utilizando-se de animais como personagens.
  • Conto – Narrativa mais curta e mais simples que o romance e a novela. Geralmente apresenta poucas personagens e um único conflito.
  • Novela – Narrativa menos complexa que o romance. Em sua estrutura, o aspecto mais valorizado é o da ação. A novela apresenta vários conflitos sucessivamente desenvolvidos.

Gêneros Literários

Narrativo – Narrativas em prosa focalizam o herói moderno (humano, sujeito a falhas).

Épico – Poemas narram os feitos grandiosos de um herói.

Lírico – Poemas criam a expressão do mundo interior; visão subjetiva.

Dramático – Personagens contam a história por meio de diálogos e monólogos.

O termo “gênero” é utilizado, nas diferentes formas de arte, para denominar um conjunto de obras que apresentam características semelhantes de forma e de conteúdo.

O gênero narrativo é uma variante do épico e, de acordo com a estrutura específica assumida pela narrativa, dizemos tratar-se de um romance, de uma novela, de um conto, de uma crônica ou de uma fábula.

Gramática x Redação

Todo aluno que deseja escrever bem deve dominar as estruturas linguísticas – gramaticais: morfologia, semântica, sintaxe – pois tais tópicos fazem parte de uma ótima redação, sem eles não existiria a arte de escrever bem. É fundamental um bom estudo das regras reguladoras da Língua Portuguesa. Embora todos os itens gramaticais sejam igualmente importantes para uma redação bem escrita, ressaltam-se certos aspectos:

 

  • Ortografia
  • Acentuação gráfica
  • Colocação pronominal
  • Pronomes relativos, possessivos e oblíquos
  • Crase e regência
  • Conjunções coordenadas e subordinadas
  • Concordância verbal
  • Concordância nominal
  • Pontuação

Logo, não há como escrever bem sem o domínio da gramática, já que ela é fundamental para a construção e o sentido lógico do texto, pois erros gramaticais podem comprometer todo o texto. Imagine uma redação sem pontuação adequada, sem acento nas palavras e palavras grafadas erroneamente. Não me responda. Mas já percebeu que isso pode prejudicá-lo?

Os textos abaixo retirados de site (…….) tiveram suprimidos os acentos gráficos, as pontuações para que você leia com atenção e empregue corretamente os acentos e pontuações que faltam. Este exercício tem como objetivo levar o aluno a ter atenção na hora de redigir um texto, pois erros como esses citados podem comprometer todo o conteúdo.